Resenha - O Livro da Educadora

Resenha - O Livro da Educadora

Postado em:
Blog - Clube de Leitura
- 29/04/2020 11:47:50

Obra escrita por Paulo Combes (1856-1909), um escritor francês que criou a tetralogia intitulada “Biblioteca da Mulher”. O quarto livro de sua coleção intitula-se “O Livro da Educadora” no qual descreve as principais responsabilidades da mãe quanto quem tudo ensina para a construção, em direção correta do raciocínio humano.

O “Livro da Educadora” não pode confundir-se com o “Livro da Mãe”, como o “Livro da Dona de Casa” se não pode confundir com o “Livro da Esposa” — O “Livro da Esposa” e o “Livro da Mãe” têm essencialmente por objeto a feição afetiva, íntima do papel da esposa e da mãe; os outros dois tratam do seu papel positivo, ativo, prático — da exteriorização do seu afeto.

A missão da educadora começa logo que a criança nasce. É preciso desde princípio incliná-la para bons hábitos que constituam uma “segunda natureza”. O esforço, necessidade absoluta de toda a existência, será a primeira coisa a que a mãe deve habituar a criança. As primeiras palavras da criança: importância da boa pronúncia. Disciplina das qualidades naturais sendo ensinada por lições de coisas.

Quando a criança começa a fazer perguntas a educadora deve brincar e conversar com a criança. — Não deve deixar sem resposta nenhuma das perguntas que ela fizer. No capítulo que este assunto é proposto também se aborda a maneira que se deve responder estes questionamentos.

A história da humanidade, a experiência e a lógica demonstram que a criança deve começar por aprender a desenhar, aprendendo depois a escrever e a ler ao mesmo tempo. Veremos nesta obra os melhores métodos de desenho, escrita e leitura: o que a criança deve desenhar, escrever e ler.

Veremos ainda que a família é o meio natural da educação, mas não é suficiente e ninguém se deve restringir exclusivamente a ele (a não ser em casos onde a família adota o método de ensino homeschooling, o que nos dias atuais em nosso país, na maioria das cidades é a única alternativa). Existe a educação familiar e a educação extrafamiliar (o ensino letrado). A missão da mãe educadora não é por forma alguma deprimida pela educação que a criança recebe fora da família. Pelo contrário, continua a ser preponderante.

Descreve ainda a importância da vigilância da educadora sobre todos os atos da vida de seus filhos já crescidos. Como ela se exerce; e o fim que tem em vista. A maneira de como a educadora prepara os filhos para entrar na vida adulta e independente. E ressalta neste ponto que a mãe continua a guiar os filhos em todas as circunstâncias desta mesma vida adulta. O seu papel até à sua morte.

O papel educador da mulher pode exercer-se em toda a parte, tanto na família, como fora da família. A missão de educadora é das mais importantes que a mulher pode ter. Se lhe proporciona menos alegrias íntimas do que as missões de esposa e de mãe, dá-lhe, em compensação, mais grandeza e uma felicidade de ordem mais dignificante, atingindo as puras glórias da dedicação e do sacrifício.

Categorias

Fique informado!

+ Posts

O Estudo das Moças
O Estudo das Moças
Sentimentalismo ou amor?
Sentimentalismo ou amor?
Ladainha ao Preciosíssimo Sangue de Jesus
Ladainha ao Preciosíssimo Sangue de Jesus
Homens, posso dizer?
Homens, posso dizer?
A Mulher Católica
A Mulher Católica

Receba novidades por email

E-mail cadastrado com sucesso.